Prémio António Flores

Prémio Orlando Leitão

Bolsa “Egas Moniz” de Apoio ao Internato de Neurologia

 

Prémio António Flores

Regulamento

ARTIGO 1º
Âmbito
1.1 A Sociedade Portuguesa de Neurologia atribui, em cada edição do Fórum de Neurologia e do Congresso de Neurologia por si organizados, o Prémio António Flores / Biogen.
1.2 O Prémio António Flores / Biogen destina-se a distinguir os melhores trabalhos apresentados sob a forma de cartaz, com vista a estimular a excelência da produção científica dos membros da SPN..
1.3 O Prémio António Flores / Biogen tem como objectivo promover e distinguir não só a qualidade científica e a originalidade dos temas apresentados mas também o aperfeiçoamento das capacidades de apresentação e de discussão científica.
1.4 É condição para a candidatura que o primeiro autor seja sócio da SPN.
 
ARTIGO 2º
Montante do Prémio
Os prémios são atribuídos em cada uma das reuniões anuais da SPN: Forum e Congresso: sendo um 1º prémio no valor de 1.000 Euros e um 2º prémio no valor de 500 Euros.
 
ARTIGO 3º
Processo de Selecção
São candidatos aos prémios todos os trabalhos apresentados sob a forma de cartaz (poster) em cada uma das supracitadas reuniões da SPN.
 
ARTIGO 4º
Constituição do Júri e processo de atribuição:
4.1 O Júri é constituído pelos elementos da Direcção da SPN os quais decidirão entre os trabalhos mais votados pelos moderadores de cada sessão (um trabalho por cada sessão) onde os cartazes forem apresentados.
O Júri poderá cooptar outros elementos da SPN em casos específicos, quando assim o entender.
4.2 São valorizados o mérito científico dos trabalhos, avaliados pelos seguintes parâmetros: A)Inovação, e relevância do tema. B)Capacidade de apresentação oral. C) Clareza Gráfica. D) Clareza da exposição e capacidade de síntese E)Cumprimento do tempo estipulado. F) Interesse da discussão..
4.3 É preenchida pelos moderadores de cada sessão, uma grelha de classificação a fornecer pela SPN onde constam os items a classificar, Ficará apurado como candidato ao prémio o trabalho que obtenha a mais elevada classificação.
4.4 O Júri reúne após a última sessão de apresentação dos cartazes e apreciará os trabalhos seleccionados, decidindo de acordo com o presente regulamento.
4.5 As deliberações do Júri são tomadas por maioria de votos, de acordo com as grelhas de classificação fornecidas pelos moderadores de cada sessão e não são passíveis de recurso. Em caso de empate, o Presidente do Júri exercerá o voto de qualidade.
 
ARTIGO 5º
Proclamação e entrega dos Prémios
5.1 A cerimónia de entrega dos Prémios “António Flores / Biogen” terá lugar em cerimónia própria que decorrerá imediatamente antes do encerramento da reunião.
5.2 Só serão atribuídos os prémios aos trabalhos em que pelo menos um dos autores esteja presente.
 
ARTIGO 6º
Outra Situações
Os casos omissos no presente regulamento são resolvidos pelo Júri que tem poderes para o efeito.
O presente regulamento foi lavrado em Abril de 2016.
 
 
 

Prémio Orlando Leitão

 
Regulamento
 
ARTIGO 1º
A Sociedade Portuguesa de Neurologia concede anualmente o prémio intitulado “Prémio Orlando Leitão / Biogen”, patrocinado pela Biogen.
 
ARTIGO 2º
2.1 O Prémio Orlando Leitão / Biogen destina-se a distinguir os
melhores trabalhos apresentados anualmente no “Congresso da Sociedade Portuguesa de Neurologia”. sob a forma de comunicação oral,.
2.2 É condição para a candidatura que o primeiro autor seja sócio da SPN.
2.3 O prémio é pecuniário e será atribuído um diploma comprovativo.
O valor total dos prémios é de 5.000 euros, distribuídos da seguinte forma:
- 1.500 euros para cada uma das 3 melhores comunicações orais..
- 500 euros a atribuir ao 1º autor de comunicação desde que este seja médico interno dos 2 primeiros anos da especialidade de Neurologia.
 
ARTIGO 3º
Do Júri
3.1 O Júri é constituído pelos elementos da Direcção da SPN, os quais decidirão entre os trabalhos mais votados pelos moderadores de cada sessão (um trabalho por cada sessão) onde as comunicações foram apresentadas.
O Júri poderá cooptar outros elementos da SPN, sempre que assim o entenda, nomeadamente em caso de expressão de “conflito de interesses” por algum membro do júri.
3.2 São valorizados o mérito científico dos trabalhos, avaliados pelos seguintes parâmetros: A)Inovação, e relevância do tema. B)Capacidade de apresentação oral. C) Clareza Gráfica. D) Clareza da exposição e capacidade de síntese E)Cumprimento do tempo estipulado. F) Interesse da discussão.
As decisões do Júri serão tomadas por maioria de votos e delas não caberá recurso.
3.3 O Júri poderá pedir elementos adicionais aos autores com vista a
quaisquer esclarecimentos julgado necessário para a melhor avaliação do trabalho.
3.4 Os membros do Júri poderão pôr à consideração dos restantes membros a situação de “conflito de interesses” a qual será apreciada pelos outros membros do júri os quais decidirão da sua procedência conforme o seu entendimento do caso concreto
 
ARTIGO 4º
4.1 De cada reunião do Júri será lavrada uma acta, que será assinada por todos os elementos e em que conste:
a) A constituição do mesmo (incluindo os elementos cooptados, caso existam), local e data da reunião.
b) A listagem de todos os trabalhos submetidos a concurso, seguido da apreciação do Júri.
c) A deliberação sobre a atribuição do prémio devidamente justificada.
 
ARTIGO 5º
5.1 Caberá à direcção da SPN, em articulação com o promotor, deliberar sobre a data e o local da atribuição do prémio.
 
ARTIGO 6º
6.1 Em todos os casos omissos no presente regulamento compete a decisão ao Presidente Júrir.
 
ARTIGO 7º
7.1 Este regulamento entrará em vigor por ocasião do Congresso da SPN de Novembro de 2016.
 
 

 

Bolsa “Egas Moniz” de Apoio ao Internato de Neurologia

Preâmbulo
 
O Programa de Formação do Internato Complementar de Neurologia prevê estágios opcionais para diferenciação em subespecialidades, áreas e técnicas em ciências neurológicas, em centros especializados, eventualmente no estrangeiro.
 
A Sociedade Portuguesa de Neurologia reconhece as vantagens de estágios fora do país, permitindo aos candidatos a neurologistas o contacto com outras realidades e metodologias de trabalho.
 
Os encargos financeiros são habitualmente elevados, atendendo aos principais países escolhidos para estes estágios. O apoio dos Hospitais é muito variável e geralmente insuficiente. As situações de auto-financiamento deverão ser minoradas.
 
Por outro lado, muitas vezes, é possível obter apoios de fundações ou outras instituições, sendo a sua procura atempada uma obrigação do Interno e/ ou do Serviço de Neurologia a que pertence.
 
A SPN assumirá neste processo um papel complementar ou acessório, através de uma bolsa a atribuir à posteriori, compensando total ou parcialmente os custos do estágio não cobertos por outras fontes.
 
I. Objectivo da Bolsa
Promoção de estágios, em Instituições ou Hospitais estrangeiros, integrados no Programa de Formação do Internato Complementar de Neurologia.
 
II. Modo
Contribuição monetária, a atribuir após conclusão do estágio, visando colmatar eventuais insuficiências de financiamentos previamente atribuídos por outras entidades.
 
III. Critério
Aceitação automática do estágio, em neurologia clínica ou outras áreas, desde que integrado no plano oficial do Internato Complementar e devidamente autorizado pelo Serviço de Neurologia do candidato.
 
IV. Candidatos
Serão aceites as candidaturas dos Sócios da SPN com quotas actualizadas, e que estejam a frequentar oficialmente o Internato Complementar de Neurologia. Cada interno poderá candidatar-se uma única vez, durante todo o internato, independentemente da duração do estágio.
 
V. Prazos
As candidaturas devem ser apresentadas até 31 de Janeiro do ano seguinte aquele em o estágio terminou.
A bolsa será entregue no prazo de 60 (sessenta) dias após a recepção das candidaturas, e anunciada na primeira Reunião Científica da SPN depois dessa data.
 
VI. Valor da bolsa
A valor da bolsa será tendencialmente idêntico ao solicitado pelo candidato. Não deverão, no entanto, ser ultrapassados certos limites, fixados e actualizados anualmente pela Direcção, tendo como referência os valores históricos do ano 2001:
– 2000 (dois mil) euros por estágio,
– 400 (quatrocentos) euros por mês de estágio,
– 6000 (seis mil) euros de financiamento total por ano.
O valor de cada bolsa será calculado proporcionalmente ao valor solicitado, no caso do limite de financiamento total ser ultrapassado.
 
VII. Processo de candidatura
1. Boletim de candidatura disponível em www.spneurologia.com (para imprimir).
2. Documento do Serviço de Neurologia de origem, onde conste que o candidato é Interno Complementar de Neurologia, o local do estágio e as datas de início e fim mesmo.
3. Relatório resumido do estágio.
 
VIII. Obrigações do Interno
1. Apresentação de resumo do estágio.
2. Apresentação pública do estágio à SPN, se a Direcção entender útil e conveniente.
3. Referência ao financiamento da SPN em versões futuras de relatório, apresentações
ou publicações decorrentes do estágio, e em que o Interno seja o primeiro autor.
 
IX. Processo de atribuição
1. A proposta de atribuição será sumária e elaborada pelos Presidente e Tesoureiro da Direcção, dado não se tratar de um concurso clássico, não se vislumbrando conflitos de interesses entre os candidatos.
2. A proposta será homologada pelos restantes elementos da Direcção, que não necessita de se reunir com este fim, excepto se tal for expressamente solicitado por algum dos seus membros.
 
X. Actualização
Os valores da bolsa deverão ser actualizados pela Direcção da SPN.
 
XI. Casos omissos
Os casos omissos serão resolvidos pela Direcção da SPN.
 
A documentação de candidatura deve ser enviada por email para [email protected]
 
O formulário de inscrição está disponível aqui.